Cálcio

O cálcio é o mineral mais abundante existente no corpo humano, a maior parte encontra-se nos ossos e dentes1.

A ingestão de cálcio é um fator crítico para manter os ossos saudáveis. Os níveis de cálcio no sangue e no fluido extracelularX fluido extracelular
 Todos os líquidos que se encontram no exterior das células, incluindo o plasma sanguíneo e o fluido intersticial.
devem estar sempre dentro de uma margem estreita de concentrações. Caso a ingestão deste mineral não seja adequada, a reabsorção ósseaX reabsorção óssea
Remoção do tecido ósseo pelos osteoclastos.
(desmineralização) é estimulada2.

Calcio
Coraçâo
Dentes
Energia
músculos

Funções no organismo

O cálcio desempenha uma função estrutural nos ossos e nos dentes. Além disso, ele atua juntamente com a vitamina K, no sistema circulatório, auxiliando na coagulaçãoX coagulação
Processo em que as plaquetas e os fatores de coagulação transformam o sangue numa substância semi-sólida de modo a formar um coágulo.
do sangue e possui grande importância no estabelecimento do equilíbrio juntamente com o fósforo.

Os cristais de hidroxiapatiteX cristais de hidroxiapatite
Composto inorgânico existente nos ossos e dentes, que dá rigidez a estas estruturas.
presentes no osso contêm grandes quantidades de cálcio, fósforo e oxigénio. Os osteoclastosX osteoclastos
Células que constituem a matriz óssea, de tamanho maior em relação às outras células e estão envolvidas na reabsorção óssea.
têm como função a reabsorção ósseaX reabsorção óssea
Remoção do tecido ósseo pelos osteoclastos.
, e os osteoblastosX osteoblastos
Célula essencial para a formação do osso.
sintetizam o osso novo, de modo a substituir a estrutura óssea que foi reabsorvida. Durante o crescimento, a formação óssea supera a reabsorção ósseaX reabsorção óssea
Remoção do tecido ósseo pelos osteoclastos.
. Pelo contrário, a osteoporose resulta numa reabsorção ósseaX reabsorção óssea
Remoção do tecido ósseo pelos osteoclastos.
superior à formação óssea2.

Os níveis de cálcio são controlados pelas glândulas paratiróides. Quando se encontram diminuídos as glândulas paratiróides produzem uma hormona denominada paratiróideia. O aumento da hormona paratiróideiaX hormona paratiróideia
Hormona libertada pela glândula paratiróide que regula os níveis de cálcio e fosfato no organismo.  
, leva a uma rápida redução dos níveis de excreção de cálcio e por conseguinte a um aumento da excreção urinária de fósforo. Esta condição promove a reabsorção ósseaX reabsorção óssea
Remoção do tecido ósseo pelos osteoclastos.
, resultando na libertação de cálcio e fosfato do osso. A hormona paratiróideiaX hormona paratiróideia
Hormona libertada pela glândula paratiróide que regula os níveis de cálcio e fosfato no organismo.  
também estimula a conversão de vitamina D na sua forma ativa nos rins, o que aumenta a absorção de cálcio e fósforo. Para além disso, a forma ativa da vitamina D estimula os osteoclastosX osteoclastos
Células que constituem a matriz óssea, de tamanho maior em relação às outras células e estão envolvidas na reabsorção óssea.
e aumenta a reabsorção de cálcio nos rins2.
Quando os níveis normais de cálcio são repostos, as glândulas paratiróides deixam de produzir hormona paratiróideiaX hormona paratiróideia
Hormona libertada pela glândula paratiróide que regula os níveis de cálcio e fosfato no organismo.  
2.

Para além da função estrutural nos ossos, o cálcio também atua na coagulaçãoX coagulação
Processo em que as plaquetas e os fatores de coagulação transformam o sangue numa substância semi-sólida de modo a formar um coágulo.
sanguínea, na transmissão dos impulsos nervosos, na contração e relaxamento dos músculos, na vasoconstrição e vasodilatação, sinalização intracelularX sinalização intracelular
Conjunto de mecanismos que permite que as células comuniquem.
, libertação de hormonas e manutenção do ritmo cardíaco1,3.

A ingestão de cálcio contribui ainda para o normal metabolismoX metabolismo
Conjunto das transformações físico-químicas que ocorrem em todos os tecidos do organismo. Estas transformações são acompanhadas por fenómenos energéticos (acumulação ou libertação de energia).
produtor de energia, para o normal funcionamento das enzimas digestivas, para o processo de divisão e especialização celular4.

Fontes de cálcio

Há muitos produtos alimentares que contêm cálcio mas os laticínios são a melhor fonte1.

Outras fontes são os vegetais de folha verde como os brócolos, couves e nabos, amêndoas, sementes de girassol, sardinhas, salmão, nozes e feijões secos1,5.

Algumas fibras e alimentos com ácido oxálicoX ácido oxálico
Composto encontrado normalmente numa variedade de plantas. No trato gastrointestinal forma complexos com alguns iões e impede a sua absorção.
(couve, batata doce, feijão, espinafres e ruibarbo) ou ácido fíticoX ácido fítico
também conhecido como fitato, é um composto que contém fósforo e que se liga aos minerais no trato gastrointestinal, diminuindo a sua biodisponibilidade.
(farelo de trigo, nozes, sementes e feijão) determinam uma absorção de cálcio reduzida uma vez que estes ácidos formam um complexo com o cálcio e evitam a sua absorção1,2.

Alimento

Conteúdo em cálcio

Iogurte

150mg/ 100g

Leite

120mg/ 100g

Requeijão

100mg/ 100 g

Mexilhão

100mg/ 100g

Frutos secos

60mg/100 g

Ovos

30mg/ 100g

Pão branco

15mg/100g

Carne

10mg/100 g

Adaptado de: Minerals Basics. Manual. Roche Consumer Health. 19986

Estabilidade

Para perder o menor teor de cálcio dos alimentos, estes devem ser cozinhados com um mínimo de água possível e durante o menor tempo possível1.

Carência em cálcio

Os ossos servem como reservatórios que libertam cálcio para o sangue quando os níveis de cálcio ingeridos não são os adequados. No entanto, nos casos em que a necessidade em cálcio aumenta (crescimento, reparação de tecidos, gravidez ou amamentação) a mucosa intestinal também se adapta de modo a aumentar a eficiência na absorção deste mineral6.

A hipocalcémiaX hipocalcémia
Baixos níveis de cálcio no sangue.
normalmente está relacionada com uma função alterada da paratiróide. Se não for esta a causa, poderá estar relacionada com insuficiência renalX insuficiência renal
Perda gradual da função renal.
crónica, deficiência em vitamina D, menopausa, intolerância à lactose, dieta vegetariana, ou baixos níveis de magnésio no sangue, muitas vezes relacionado com o alcoolismo2,3.

Os sintomas de hipocalcémiaX hipocalcémia
Baixos níveis de cálcio no sangue.
incluem: dormência e formigueiro nos dedos, cãibras musculares, convulsões, letargiaX letargia
 Redução dos níveis de consciência, marcado por sonolência, indiferença e apatia.
, falta de apetite, alterações no ritmo cardíaco e se não for tratada pode conduzir à morte. A longo prazo pode ocorrer osteopéniaX osteopénia
Redução da densidade óssea para níveis inferiores aos normais.
que conduz a osteoporose3.

Existem alguns fatores que poderão influenciar os níveis de cálcio no sangue, como por exemplo a quantidade de vitamina D que é essencial para a reabsorção de cálcio2.

No caso do sódio, este é o maior determinante para as perdas de cálcio através da urina. A ingestão de doses elevadas de sódio resulta na excreção de doses elevadas de cálcio, pela urina2.

A ingestão de cafeína também aumenta a excreção de cálcio e reduz a sua absorção3.

Por sua vez, o consumo de álcool reduz a absorção de cálcio e inibe as enzimas do fígado que convertem a vitamina D na sua forma ativa3.

Valor de Referência do Nutriente (VRN)3

Na tabela seguinte, estão descritas as doses diárias recomendadas consoante o sexo, a idade e algumas condições especiais (gravidez e aleitamento). No caso dos indivíduos fumadores, necessitam de mais 35mg/dia de vitamina C em relação aos indivíduos não fumadores.

 

Idade

Masculino (mg/dia)

Feminino (mg/dia)

Lactentes

0-6 meses*

30

30

 

7-12 meses*

75

75

Crianças

1-3 anos

80

80

 

4-8 anos

130

130

 

9-13 anos

240

240

Adolescentes

14-18 anos

410

360

Adultos

19- 30 anos

400

310

 

A partir dos 31 anos

420

320

Grávidas

14-18 anos

-

400

 

19-30 anos

-

350

 

A partir dos 31 anos

-

360

Mulheres a amamentar

14-18 anos

-

360

19-30 anos

-

310

 

A partir dos 31 anos

-

320

* IA: ingestão adequada: não existem estudos que permitam estabelecer o VRN, mas estes valores garantem uma nutrição adequada.

Utilidade terapêutica

A suplementação com cálcio reduz alguns problemas gestacionais, nomeadamente o risco de desenvolvimento de problemas hipertensivos durante a gravidez, os quais estão associados a um número significativo de mortes por parte das mães e do nascimento de bebés prematuros7.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), em populações em que a ingestão de cálcio é reduzida, a suplementação é recomendada no período de gravidez, de modo a prevenir o estado de pré-eclâmpsiaX pré-eclâmpsia
Condição que ocorre durante a gravidez e que se caracteriza por hipertensão arterial, proteínas na urina e edema.
(condição médica em que a mulher grávida desenvolve hipertensão e proteinúriaX proteinúria
Excesso de proteínas presentes na urina.
, normalmente após a 20ª semana de gestação), particularmente em mulheres com elevado risco de desenvolver hipertensão (situação que será prognosticada pelo médico)7.

É recomendada uma dose diária de 1,5g a 2g de cálcio elementar (1,5g de cálcio elementar corresponde a 2,5g de carbonato de cálcio e 4g de citrato de cálcio) dividida em três doses, preferencialmente tomadas à hora da refeição, desde a 20ª semana de gestação até ao final da gravidez. Esta situação deverá ser rigorosamente monitorizada pelo médico7.

Precauções

O hiperparatiroidismoX hiperparatiroidismo
Excesso de atividade da glândula paratiróide, com produção elevada de hormonas paratiroideias.
é a causa mais comum de hipercalcémiaX hipercalcémia
excesso de cálcio no sangue.
2.

A ingestão de doses elevadas de cálcio durante algum tempo aumenta o risco de formação de pedra nos rins. Para além disso, doses elevadas de cálcio podem desencadear insuficiência renalX insuficiência renal
Perda gradual da função renal.
, calcificação dos tecidos moles e vasculares e hipercalciúriaX hipercalciúria
 Presença de cálcio na urina em níveis superiores ao normal.
1,3.

Parte do cálcio absorvido é eliminada pela urina, fezes e suor, o que pode ser afetado pela ingestão de sódio (a ingestão de níveis altos de sódio aumenta a excreção de cálcio), consumo de cafeína (aumenta a excreção de cálcio) e álcool (reduz a absorção de cálcio)3.

O cálcio diminui a absorção de antibióticos, bifosfonatosX bifosfonatos
Classe de fármacos utilizada para tratar a osteoporose, inibindo a reabsorção óssea.
e da levotiroxinaX levotiroxina
Fármaco indicado nos casos de hipotiroidismo.
, por isso a toma destes medicamentos e de suplementos de cálcio deve ser separada por um intervalo de 2 horas2.

Os antagonistas dos recetores H2 e os inibidores da bomba de protõesX inibidores da bomba de protões
 Classe de fármacos que inibe a secreção ácida, utilizados em algumas patologias do estômago.
& diminuem a absorção de carbonato de cálcio e fosfato de cálcio. Sabe-se ainda que os glucocorticoides também diminuem a absorção de cálcio2.

Os diuréticos, tal como as tiazidasX tiazidas
Classe de fármacos diuréticos que atuam por inibição da reabsorção de sódio na porção inicial do túbulo contornado distal.
, aumentam o risco de hipercalcémiaX hipercalcémia
excesso de cálcio no sangue.
por aumento da reabsorção de cálcio nos rins2.

Doses elevadas de cálcio em pessoas que tomam digoxinaX digoxina
Fármaco utilizado na insuficiência cardíaca e arritmias.
aumenta a probabilidade de alterações no ritmo cardíaco, por isso é preciso precaução nesta associação.2

O cálcio será mais eficaz se for acompanhado das vitaminas A, C e D, ferro, magnésio e fósforo5.

    1. https://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/002412.htm - Medline Plus. 2015
    2. http://lpi.oregonstate.edu/mic/minerals/calcium - Linus Pauling Institute. 2015
    3. https://ods.od.nih.gov/factsheets/Calcium-HealthProfessional/ - National Institutes of Health. 2016
    4. Regulamento (UE) N.º 432/2012 da Comissão, de 16 de Maio de 2012
    5. Mindell, E., Tudo sobre as vitaminas. Plátano. 1991 pags 76-78; 218-220;255-258
    6. Minerals Basics. Manual. Roche Consumer Health. 1998
    7. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85120/1/9789241505376_eng.pdf?ua=1 - Guideline: Calcium supplementation in pregnant women. World Health Organization. 2013